COLABORAÇÃO: AMIGOS QUE NOS LEVAM LONGE… | Iza Kutz

COLABORAÇÃO: AMIGOS QUE NOS LEVAM LONGE…

“O homem é um ser “gregário”. “Nenhum homem é uma ilha”… Essas afirmações se baseiam na própria concepção humana que pressupõe a existência de pelo menos dois para que se tenha descendência. Maslow, na sua famosa pirâmide, enumera a necessidade que o ser humano tem de segurança e de pertença a um grupo. Entender como essas necessidades se manifestam bem como os mecanismos de funcionamento do grupo é essencial para nosso sucesso em sociedade, e se ainda conseguirmos tirar algum proveito disso, tanto melhor.

Em um mundo de múltiplas inteligências, todos temos um pouco delas combinadas em diferentes graus. A figura abaixo ilustra uma amostra dessas inteligências. Destaque-se que, em média, possuímos apenas 4% de Inteligência Interpessoal. Isso nos leva a concluir que, apesar de necessitarmos, não estamos assim tão preparados para exercitá-la. Os conflitos e as guerras evidenciam isso claramente.

A Inteligência Interpessoal ou Inteligência Social (e muitos outros sinônimos) trata dos comportamentos coletivos e da capacidade que proporcionar maior colaboração entre as pessoas, desenvolvendo a empatia e a habilidade de trabalhar em equipe e conviver em comunidade, com maior interação, envolvimento e comprometimento. A boa notícia é que as inteligências podem ser desenvolvidas.

Isso nos leva a compreender que, para sermos socialmente inteligentes, precisamos nos exercitar, conviver socialmente e, mais que isso, estar atentos as essas interações sociais para podermos aprender conscientemente com nossas próprias interações.

A construção de uma rede de relacionamentos forte e duradoura passa pela percepção consciente de alguns mecanismos balizadores do comportamento humano como:

- COMUNICAÇÃO: Nosso cérebro recebe as informações por meio dos sentidos. As informações são então combinadas e “filtradas” conforme nosso modelo mental, ou seja, pelo “software” que temos em nosso cérebro. Como as pessoas possuem experiências de vida diferentes, possuem também modelos mentais diferentes, e a chance de duas pessoas interpretarem a mensagem da mesma forma é mínima. Portanto, esteja certo de que a outra pessoa realmente entende a mensagem como você quer. A responsabilidade pela comunicação é do emissor.

- VERDADE: Estatísticas mostram que 55% das informações são transmitidas pelo nosso corpo através das expressões faciais e corporais e 38% na entonação e volume de voz. Mesmo que sua boca diga algo diferente, seu corpo dificilmente o deixará mentir. Seja autêntico e fique atento às suas expressões faciais e corporais.

- ASSERTIVIDADE: É falar o que você pensa e sente, respeitando o outro. Requer gentileza e coragem para expressar o que realmente deseja de forma firme e clara, considerando o outro, suas convicções e desejos. É ouvir ativamente, mostrar que compreendeu o outro e também discordar, dependendo da situação.

- RELEVÂNCIA: As pessoas se associam muito por relevância. A cada interação na nossa rede de relacionamentos a relevância das informações trocadas é um termômetro instantâneo de quão proveitosa é a troca. A relevância depende muito do julgamento de valor e, portanto, muito subjetiva. Depende também das ferramentas usadas nas interações e conhecer a compatibilidade dos atores é muito importante. Alguns se sentem a vontade com ferramentas “on-line”, e-mail, redes sociais, SMS, etc. Outros preferem o contato pessoal, um almoço ou mesmo um cafezinho podem ser importantes ferramentas de “networking”. Com qual delas você é compatível?

-COMPARTILHAR CONHECIMENTO: Cooperamos aproximando pessoas que antes não se conheciam ou fazendo parte do trabalho que é fácil para si mesmo e árduo para o outro, usando o melhor que há em cada um, aproveitando talentos. Se agregamos nossos conhecimentos, facilitamos o crescimento de todos. Ser interdependente, gerando algo maior do que ambos fariam sozinhos.

- EMPATIA: Para colaborar, é necessário deixar de olhar o umbigo. Erguer o olhar implica proporcionar oportunidades ao outro, alegrar-se em vê-lo crescer. Não ser autoritário, impondo suas ideias, mas olhar também para as ideias e desejos do outro, entendendo as necessidades de ambos.

- PERSPECTIVA DA ABUNDÂNCIA: Para colaborar, é preciso olhar o outro como um ajudador e não como um concorrente. É entender que se pode crescer e levar crescimento, pois há espaço para todos. Quando “troco uma ideia” com alguém, saio com duas ideias e o outro também. É diferente de trocar um objeto.  Nesta perspectiva, podemos pensar no ganha-ganha, buscando o benefício mútuo, olhando a vida como uma cooperativa e não como uma competição.

- CONFIANÇA: Esta é uma palavra-chave em qualquer relacionamento. É a tranqüilidade de saber que estamos jogando juntos, do mesmo lado, com uma mesma intenção.

- SENSO DE PROPÓSITO: é uma maneira de acessar a realidade buscando um sentido maior e final para todas as coisas.

O que eu ganho em colaborar ? Nem sempre colaboração é uma troca. Muitas vezes doamos algo e o retorno virá de outras mãos, também dispostas a investir desinteressadamente. E há ocasiões em que as ações são trocadas, pois há necessidades e interesses dos dois lados.

Mas colaborar proporciona mais vantagens do que a simples troca de favores.

Colaborar implica olhar o outro e ver seu potencial. Como se olhássemos uma árvore e enxergássemos nela a possibilidade de flores e frutos. Cooperar nos traz grandeza, pois podemos mais quando não estamos sós.

Quando colaboramos podemos perceber que juntos somos mais do que um e um. Somados formamos 3, 4, 10. Com colaboração, podemos crescer com muito mais rapidez e de uma forma extremamente prazerosa.  Quer experimentar isso?

(Este texto surgiu de um processo colaborativo entre Marcos F Souza e Izabele Kutz)

MARCOS F SOUZA – Graduado em Engenharia Elétrica pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais e pós-graduado em Telemática e Redes de Alta Velocidade pelo CEFET/PR. Atualmente é gerente da área de Telecom do Banco HSBC e professor da PUC-PR, atuando principalmente nas áreas de Redes de Computadores, Gerencia de Redes, Orientador do trabalho de conclusão de curso e instrutor certificado do programa Cisco Network Academy.

IZABELE KUTZ – Graduada em Psicologia, com especialização em Grupos Operativos, Coach pelo INEXH e pela Associação Brasileira de Coaching Executivo Empresarial – ABRACEM. Atua como coach e palestrante. Atualmente trabalha em cooperação com seus vizinhos no resgate do convívio social local, através de ações conjuntas como: festas na rua, horta comunitária, recitais, ações junto aos órgãos competentes para melhoria da segurança, grupos de estudo, etc.

Fernando Simas 1211, Merces, Curitiba - Cel 41 8868 4448/Tel 41 3339-6969 - coach@izebelekutz.com.br linked in facebook you tube